ALGO
EM MEU PAI COMPREENDEU QUE A LEVEZA DO SER ESTÁ NO SOLTAR E
NO SOLTAR-SE


A calça vazia estendida no chão. O sapato sem pé. A camisa sem corpo. Em algum ponto a gente se gruda. Boca de vidro. Viro poça. Pedaço de rinoceronte. Fui cacando. Um fio cobre as bordas do precipício. Olho beija olho. Beija pele. Nariz. Cabelo. Olho cheira. O mundo não é limpo. As pessoas são linhas. Mesmo traço de novo. Você de terno e eu de vestido.
 

Curta-metragem experimental (Cor, 59')

Premiado no Festival do Minuto - Categoria Video-Palavra, 2020
 

BG_soca_blluu.png